Please reload

Posts Recentes

GOTU KOLA, UMA PANC NUTRITIVA E NOOTRÓPICA

January 12, 2019

A Centella asiática, também conhecida como gotu kola, maṇḍūkaparṇī e brahmi (por ter efeito similar à outra planta - bacopa monnieri), é uma pequena planta herbácea anual da família Apiaceae.

 

Cresce em climas tropicais e subtropicais, muito utilizada na Ásia na forma de saladas, sucos e preparados medicinais.

 

Possui diversos usos na medicina ayurvédica e na medicina tradicional chinesa (ju xue cao).

 

No Sri Lanka é conhecida por ser um dos alimentos preferidos dos elefantes, que são famosos pela boa memória.

 

No ayurveda, um dos seus usos é justamente para melhorar as funções cognitivas, incluindo a memória, clareza de pensamento e a concentração - um nootrópico, num vocabulário moderno.

 

Anti-inflamatória, boa para o fígado, sangue e para a pele. Pode ser usada topicamente para inflamações, feridas, cicatrização e queloides. Tradicionalmente também beneficia o sistema urinário sendo utilizada para problemas como cistite, ardência e outros.

 

Nome botânico: Centella asiatica, Apiaceae

 

Parte usada: folhas.

 

Eu encontro  a centella em diversos locais e para aqueles que se interessam por PANC e ervas medicinais é uma excelente opção para conhecer e utilizar.

 

Conforme mencionei, pode ser utilizada em saladas e sucos. Também pode ser desidratada e comida assim, o gosto fica bem suave, ou utilizada para fazer chá.

 

A centella cresce especialmente em solos ricos e úmidos e aqui vale um cuidado especial, pois muitos locais assim recebem esgoto ou água poluída, portanto se atente ao coletar e também à procedência no caso de compra.

 

É fonte de minerais, incluindo ferro, cálcio, potássio e magnésio, e vitaminas, como as vitaminas K, C, E e vitaminas do complexo B.  Também fornece uma variedade de fitonutrientes incluindo caroteno, luteína,  e zeaxantina, antioxidantes com efeito protetor, especialmente benéficos para os olhos.

 

Principais usos

 

Circulação: Melhora circulação, alivia o edema, a insuficiência venosa e veias varicosas.

 

Mental e emocional: Tônico para o cérebro, protege dos efeitos da senilidade da doença de Alzheimer, melhora a memória e a concentração; excelente para crianças com dificuldades de aprendizado. Ajuda também em casos de estafa mental, estresse, ansiedade e depressão.

 

Possui efeito anti-inflamatório.

 

Pele: Excelente para curar feridas e cicatrizes. Estimula a síntese de colágeno. Muito útil em casos de inflamação, como acne, furúnculos e também para os cuidados básicos com a pele, como hidratação e nutrição.

 

Fortalecimento dos cabelos e prevenção de queda de cabelo.

 

Externamente: Pode ser usado o suco das folhas frescas para acelerar a cicatrização e na forma  óleo medicinal na pele para os diversos usos citados e na cabeça para evitar a queda de cabelo e acalmar a mente.

 

 

Constituintes e Estudos

 

Constituintes: Os triterpenóides têm atraído a maior atenção dos pesquisadores. Estes incluem asiaticoside A e B, madecassoside, braminoside, brahmoside, brahminoside, thankuniside, isothankunoside, bem como ácidos triterpenos tais como ácido asiático, 6-hidroxi ácido asiático, ácido madecássico, ácido madasiático, ácido brônmico, ácido isobrahmico, ácido betulínico e ácido isotanúrico.

 

Maṇḍūkaparṇī também contém as flavonas incluem quercetina, kaempferol e astragalina, a hidrocotilina alcalóide e fitoesteróis, estigmasterol e sitosterol.

 

A planta fresca e recentemente seca contém um óleo essencial composto principalmente por sesquiterpenóides, como b-cariofileno, a-humuleno e germacreno. Constituintes adicionais incluem taninos, aminoácidos, vitaminas do complexo B e uma resina (Heinerman 1984, Williamson 2002, Yoganarasimhan 2000).

 

Pesquisa médica:

 

• In vitro: neuroprotetor (Mook-Jung et al 1999), antitumoral (Babu et al 1995, Lin et al 1972)

 

• In vivo: nootrópico, ansiolítico (Leung e Foster, 1996); GABA-nergico (Chatterjee et al 1992); antimicrobiano (Oliver-Bever 1986), depressor do SNC (Ramaswamy et al 1970); anti-ulcera (Chatterjee et al 1992); anti-oxidante (Shukla et al. 1999b); anti-inflamatório (Chen et al. 1999);

 

• Ensaios em humanos: Maṇḍūkaparṇī promoveu melhorias significativas na cooperação, memória, concentração, atenção, vocabulário e ajustamento social em crianças com deficiência mental, em comparação com placebo (Appa Rao 1973);

Maṇḍūkaparṇī reduziu significativamente o número de células endoteliais circulantes  em pacientes com síndrome pós-flebítica (Montecchio et al., 1991); Maṇḍūkaparṇī promoveu melhora significativa e segura em pacientes com microangiopatia hipertensiva venosa crônica (Cesarone et al. 1994); Maṇḍūkaparṇī reduziu significativamente o inchaço do tornozelo, do edema e do pé e melhorou a taxa de filtração capilar e os parâmetros microcirculatórios em pacientes com insuficiência venosa (Cesarone et al., 1992); um extrato titulado de Maṇḍūkaparṇī promoveu melhora clínica em 5 de 12 pacientes com distúrbios hepáticos crônicos (Darnis et al., 1979); Maṇḍūkaparṇī foi eficaz no tratamento de esclerodermia sistêmica crônica ou subcrônica com envolvimento limitado da pele e em esclerodermia focal progressiva e / ou avançada (Guseva et al., 1998); no tratamento de quelóides madecassol (asiaticoside) extraído de Maṇḍūkaparṇī comparado favoravelmente com bandagem por compressão, e forneceu resultados mais duradouros do que cortisona intralesional ou radioterapia (Bosse et al., 1979); um extrato tópico de Centella asiatica foi encontrado para ser útil em Pseudofolliculitis barbae (borbulhas) quando usado como um lubrificante de barbear (Spencer 1985).

 

Toxicidade: Nenhum dado relevante encontrado.

 

Indicações: ulceração gástrica e inflamação, disenteria, icterícia, hepatite, febre, bronquite, alopecia, eczema, psoríase, úlceras leprosas, doenças venéreas, queimaduras, ansiedade, falta de memória, ADD / ADHD, senilidade, doença de Alzheimer, epilepsia, fadiga crônica, envelhecimento prematuro, hipertensão, anemia, diabetes, edema, varicosidades, flebite, insuficiência venosa, imunodeficiência, doenças auto-imunes, câncer.

 

A pesquisa clínica moderna apoia muitas das propriedades consagradas pelo tempo atribuídas a Maṇḍūkaparṇī.

 

 

Maṇḍūkaparṇī é útil em uma variedade de condições mentais e cerebrovasculares, incluindo epilepsia, acidente vascular cerebral, demência, perda de memória, baixa concentração e transtorno de déficit de atenção.

 

Alguns textos afirmam que Maṇḍūkaparṇī é o mesmo que Brāhmī (Bacopa monnieri) em ação, alguns até mesmo sugerindo que eles são um e o mesmo. São, no entanto, plantas diferentes com uma gama diferente de atividades, mas ambas são ativas como agentes para melhorar a função mental. De modo geral, Maṇḍūkaparṇī é usado na disfunção cognitiva, onde o pitta é o doṣa predominante, melhor usado como suco fresco, 25 mL duas vezes ao dia.

 

Maṇḍūkaparṇī também pode ser usado topicamente em pomadas e bálsamos para tratar lábios rachados, lesões herpéticas, lepra, escrofula, dermatite seborréica, mãos de "prato", eczema, psoríase e picadas de insetos.

 

Para as feridas, Maṇḍūkaparṇī pode ser combinada com Confrei (raiz de Symphytum officinalis), aplicada topicamente e tomada internamente para acelerar a cicatrização e a recuperação. 

 

Modos de tomar (segundo o ayurveda)

 

Diariamente:

 

• Cūrṇa (pó): 3-10 g

• Svarasa (suco fresco): 25 mL 

• Phanta (chá, infusão): 30-120 mL  (usualmente feito com uma parte de planta seca e três partes de água, uma chá bem concentrado).

• Tintura: planta fresca 1: 2, 95% de álcool; planta seca 1: 3, 50% de álcool, 1-5 mL

 

 

FOTOS

 

A maior parte destas fotos eu mesmo tirei, é uma planta fácil de reconhecer, porém existem espécies parecidas, inclusive na internet frequentemente colocam a imagem de outras espécies. 

 

Ela tem um formato de "ferradura", tem um recorte, as bordas denteadas...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Procurar por tags
Please reload

  • Facebook ícone social
Arquivo